Home » Entrevista

Entrevista

Viver, já é um dos grandes desafios da vida. Ser Delegada de Polícia também não deixa de ser um dos grandes desafios. E quem nos fala dessa profissão é a Delegada de Polícia Jequiense Marjorie Veiga, que ocupa cargo na GESIP-Grupo Especial de Suporte a Inquéritos policias em Salvador, apurando crimes que acontecem na Bahia e região Metropolitana. Marjorie, também é professora da Faculdade Jorge Amado, casada e tem dois filhos. Perguntada pela jornalista Lú Lélis, como concilia tantos desafios, Marjorie relata sua trajetória.

 

Marjorie Veiga, Delegada de Polícia em Salvador.

Relato aqui minha trajetória pessoal, adquirindo autoconsciência da pessoa que sou no presente, redimensionando cada passo dado no passado e dando, no espaço e no tempo, um novo significado. Prevalece, entretanto, a materialização do meu sonho de criança: ser Professora Universitária, Delegada de Polícia e a maternidade. A felicidade de ver esse projeto profissional tornar-se realizado, veio no momento, em que ingressei no curso de Bacharel em Direito no ano de 1989, através de concurso vestibular, na Universidade Católica do Salvador.

No ano de 1997, através de concurso público, ingressei na Secretaria de segurança Pública Como Delegada de Polícia. Nesse âmbito tenho realizado diversas atividades no âmbito institucional. Entre os anos de 2000 até 2002, desempenhei atividades de investigação policial no serviço técnico especializado da Polícia Civil da Bahia, na Delegacia Especial de Atendimento á Mulher, na cidade de Feira de Santana. No ano de 2002, desempenhei a referida atividade, na 22° Circunscrição policial, Delegacia da Cidade de Simões Filho.

Em 2003, atuei como Delegada de Polícia plantonista, na Delegacia de proteção ao turista- DELTUR-BA. Em 2004, desempenhei atividade de investigação policial na Delegacia de Crimes Econômicos e contra a Administração Pública do Estado da Bahia- DECECAP. A partir de 2007, atuo como Delegada de Polícia, no GESIP- Grupo especial de Apoio a inquéritos Policiais. Paralelamente as minhas atividades de Polícia Judiciária, atuo como docente da UNIJORGE desde o ano de 2004, ministrando disciplinas da área de Direito. No ano de 2006 iniciei o Mestrado em Familia na Sociedade Contemporânea, na Universidade Católica do Salvador- UCSAL, com o título “Quem são os agressores? Violência masculina contra crianças e adolescentes em Salvador? obtendo a aprovação final no mestrado nos ano de 2009.

Sinto-me e vejo-me, ao mesmo tempo como profissional, mãe, esposa, filha e Mulher. Trabalho todos os dias, vou ao supermercado, decido o cardápio das refeições, cuido dos filhos, marido, dos meus pais, conciliando trabalho e vida pessoal, porque não há nada que uma dose extra de dedicação e organização não resolva. Não é preciso deixar de lado o trabalho ou os filhos. È possível conciliar as tarefas com “jeitinho” especial, que, nós mulheres temos, graças a Deus.

Porém, é imperioso ressaltar que nós mulheres temos que trabalhar e sermos felizes acima de tudo… E para isso devemos trabalhar com amor e uma profunda conexão com a organização do nosso tempo e por isso descreve nesta oportunidade algumas dicas que tento seguir diariamente:
•    Molde sua vida com prazer, trabalhe todos os dias para a sua felicidade e encare as dificuldades profissionais, não fuja delas… Isso não resolve, só atrapalha…
•    Levar a Vida com leveza…
•    Acalmar a alma!
•    Viver no presente!
•    Fé em Deus!
•    Amar muito os filhos, Pai, Mãe, Companheiro.
•    Sentir gratidão pela Vida
•    Buscar e alcançar os três “e”“e”: energia, entusiasmo e empatia.
•    O trabalho é fundamental. A família é fundamental. O tempo é fundamental. Mas o verdadeiro desafio para quem deseja ser feliz é equilibrar em grau satisfatório o sucesso em cada uma dessas áreas.

Finalizando, não poderia deixar de registrar meu amor e gratidão por Jequié… Mesmo tendo nascida  em Salvador, morei em Jequié dos 2 até aos 16 anos de idade.A minha infância se descortina no meio das lembranças familiares, escolar, os festejos Junino,Natal com amigos e familiares, meus queridos professores ,enfim ,fragmentos sociais e afetivos que foram formando a profissional que sou hoje. Muito obrigada Jequié.